Dicas Úteis

Você sabe identificar sua dor?

As dores na região da barriga podem estar relacionadas a diferentes situações, como por exemplo, gases, cólicas menstruais e má digestão. Mas você sabia também que dores nesta região podem ser sinal de doenças gastro-intestinais, ginecológicas, urológicas, vasculares, musculares entre outros?

Uma dor na região da barriga pode ser repentina e de intensidade variável, pode durar alguns minutos ou dias! E todos esses sinais, junto com sintomas físicos, podem te ajudar a indicar onde está o problema e assim procurar o especialista mais indicado.

Entenda aqui mais um pouco sobre as dores na região da barriga mais comuns:

Cólicas Biliares

Quem tem: Pacientes que têm cálculos biliares (cristais que ficam depositados na vesícula biliar).
Local da dor: Região central superior ou superior direito (dor irradia para ombro direito).
Duração da dor: A dor biliar é constante, e a crise se manifesta em dor que aumenta de 15 minutos a uma hora, e depois diminui lentamente. As dores que duram mais de 5 a 6 horas podem ser colecistite aguda. Intervalo entre as crises: É imprevisível: pode ser de semanas, meses ou anos 3

Cólicas Renais

Quem tem: Principal queixa de pacientes que apresentam pedra nos rins.
Local do dor: Região lombar.
Duração da dor: Imprevisível.
Outros sintomas: A presença de febre pode ser um alerta para possibilidade de infecção urinária. Náuseas e vomitos podem ocorrer por conta da dor intensa. Ah! Importante saber: as cólicas renais não ocorrem pela presença das pedras, e sim pelo movimento das mesmas pelos pelo trato urinário.
Intervalo entre crises: as crises dependem do movimento das pedras, portanto são imprevisiveis.

Cólicas Menstruais

Quem tem: Mulheres em idade fértil até a menopausa.
Local da dor: dor no abdomen inferior, podendo alcançar região lombar ou até nas coxas. Outros sintomas: náuseas, diarreia e dor de cabeça.
Frequencia: 2 a 3 dias antes do início do fluxo menstrual Duração: Duração de 48 a 72hs.

Cólicas Intestinais

Quem tem: Pessoas com quadros como diarreia e constipação intestinal (conhecida como “intestino preso”), podem ter dores nessa região.
Local da dor: Parte central ou inferior da barriga.
Frequência: As dores vêm de forma repentina, e sua frequência pode variar de pessoa para pessoa Outros sintomas: dor intensa, formação de gases, diarréia ou fezes endurecidas.
Duração: Muitas vezes essas dores podem durar até que esses quadros se resolvam.

O tratamento depende da causa e da localização da dor. Por isso, um especialista poderá indicar o tratamento mais adequado, após realizar os exames físicos, de sangue e se necessário, o ultrassom abdominal.

DORES ABDOMINAIS:

A dor na região da barriga de forma crônica (que demora mais de 6 meses para passar) é a causa de dor mais comum em crianças na fase escolar



A cólica menstrual, um dos tipos de cólica mais comuns, chega a afetar 90% das mulheres

crônica (que demora mais de 6 meses para passar) atinge 15% da população adulta



GRUPOS ESPECIAIS:

CRIANÇAS
1/3 das crianças que têm dor de barriga continuam com essa dor por mais de 6 meses

NEOCOPAN pode ser utilizado em crianças a partir de 1 ano de idade

MULHERES
Cólicas menstruais atingem 9 em cada 10 mulheres! Mas atenção! Se a dor for forte ou persistir por mais tempo, é preciso investigar!

HOMENS
A dor na região do pé da barriga pode sinalizar inúmeras doenças, inclusive câncer de próstata, tipo mais prevalente entre homens

IDOSOS
redução de 10 a 20% na percepção da dor - por isso, atenção redobrada! Vale prestar atenção a outros sintomas, e não subestimar quando o idoso reclamar de dor

SINAIS DE ALERTA

Quando a dor pode representar algo mais grave!



Dor que muda de localização

Dor que desperta do sono

Dor que persiste por mais de 6 horas ou piora

Dor seguida de vômitos

Perda de peso

LOCALIZE A DOR!

Entenda o que pode ser a dor de acordo com cada região do abdômen:



  • 1 - Úlcera, colecistite, embolia pulmonar
  • 2 - Gastrite, esofagite, pancreatite, infarto
  • 3 - Úlcera, problema no baço, embolia pulmonar
  • 4 - Doença de Crohn, diverticulite, colecistite, pedra nos rins
  • 5 - Início apendicite, pancreatite, gastroenterite
  • 6 - Diverticulite, doença inflamatória intestinal, pedra nos rins
  • 7 - Apendicite, Doença de Crohn, cisto de ovário, gravidez ectópica
  • 8 - Doença inflamatória intestinal, diverticulite, apendicite
  • 9 - Apendicite, Doença de Crohn, cisto de ovário, gravidez ectópica
Referências Bibliográficas:

1- Sperber, Ami D.; Drossman, Douglas A. Síndrome da dor Abdominal Fundional: dor abdominal constante ou frequentemente recorrente. Arquivo de Gastroenterologia v.49, 2012 2. Doenças do aparelho digestivo. Universidade Federal do Mato Grosso do Sul/ FIOCRUZ-MS. Disponível em http://production.latec.ufms.br/new_pmm/u1a5.html 3. Santos, J. S., Sankarankutty, A., Salgado Júnior, W., kemp, R., Módena, J. L., Elias Júnior, J., & Silva Júnior, O. (2008). COLECISTECTOMIA: ASPECTOS TÉCNICOS E INDICAÇÕES PARA O TRATAMENTO DA LITÍASE BILIAR E DAS NEOPLASIAS. Medicina (Ribeirao Preto. Online), 41(4), 449-464. https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v41i4p449-464 4. GATTI, Maria Fernanda Zorzi et al . Custos hospitalares do diagnóstico e tratamento da cólica renal em um serviço de emergência privado brasileiro. Rev. dor, São Paulo , v. 14, n. 1, p. 12- 16, Mar. 2013 . Available from . access on 12 June 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S1806-00132013000100004. 5. ORKES, Fernando; RAUEN, Eduardo Costa; HEILBERG, Ita Pfeferman. Litíase urinária e gestação. J. Bras. Nefrol., São Paulo , v. 36, n. 3, p. 389-395, Sept. 2014 . Available from . access on 12 June 2019. http://dx.doi.org/10.5935/0101-2800.20140055. 6. Rodrigues, Isabela C; Oliveira, Elmari. Prevalência e convivência de mulheres com síndrome pré- menstrual. Arq Ciênc Saúde 2006 jul-set;13(3). Disponível em: